Fé e razão

Fé e razãoQualquer debate sobre fé e razão deve fazer a seguinte pergunta: “O que é fé?”. A resposta bíblica, de acordo com o autor de Hebreus, é que fé é a garantia do que se espera e a prova do que não se vê (Hb 11.1). O autor de Hebreus prossegue dizendo que pela fé podemos entender que o mundo foi formado pela Palavra de Deus. A primeira coisa que podemos observar nessa declaração é que a fé é algo substancial, não efêmero. Em segundo lugar, ela representa um tipo de evidência; ela é a evidência de algo que não pode ser visto.

Na essência do conceito neotestamentário, fé é a ideia de confiança, ou seja, envolve a confiança de alguém em relação a algo. Nesse aspecto, todos os seres humanos estão sujeitos a depender da fé em algum momento ou outro. Não sou especialista em medicina, então devo depositar certa confiança no diagnóstico dado a mim por especialistas da área. Essa confiança pode ser provisória até eu constatar que ela não é baseada em um fundamento ou evidência. Nesse ínterim, porém, confiar em algo que não vemos não é necessariamente uma questão de irracionalidade. Sem a razão, o conteúdo da fé bíblica seria ininteligível e sem sentido.

Assim, dizemos que a fé bíblica não é o mesmo que a razão, mas que ela é racional e coerente. A primeira afirmação de que a fé é racional significa que ela é inteligível, ou seja, não é absurda ou ilógica. Se a revelação bíblica fosse absurda ou irracional, ela seria completamente ininteligível e sem sentido. O conteúdo da Bíblia não pode penetrar a alma de uma criatura senciente sem primeiro passar por sua mente. Agostinho declarou que a fé sem evidência é credulidade. Nesse ponto, entendemos que, embora a fé seja racional, ela também é coerente. A fé bíblica não chama pessoas a crucificar seus intelectos ou a dar saltos cegos de fé nas trevas na esperança de que Cristo irá nos pegar. Ao invés disso, somos chamados para saltar da escuridão para a luz.

Quando as Escrituras afirmam que a fé é a prova do que não se vê, o que devemos entender? O exemplo dado é que pela fé entendemos que o mundo foi formado pela Palavra de Deus. Nenhum de nós foi uma testemunha ocular da ação de Deus na criação do mundo. Ainda assim, confiamos que o universo veio a existir pelo ato divino do trabalho de Deus na criação porque chegamos a acreditar, com base em motivos coerentes, que a Palavra de Deus é fidedigna. Uma vez que estamos convencidos de que a Palavra de Deus é fidedigna e que essa convicção é coerente, podemos confiar na Palavra de Deus mesmo em relação às coisas que não podemos ver.

João Calvino também defendeu a visão de que a verdadeira fé não consiste em crer em oposição às evidências. Ao invés disso, a verdadeira fé envolve confiar nas evidências que Deus amplamente nos forneceu em Sua Palavra e por meio Dela. Essa fé não é ausente daquilo que Calvino chamou de evidências. Ao contrário, é a fé que se rende e se conforma com as evidências.

Devemos estar sempre atentos e vigilantes contra a intromissão da irracionalidade oriunda da filosofia existencialista, da teologia neo-ortodoxa e do ressurgimento do misticismo estabelecido no neo-gnosticismo. O que está em jogo é a coerência e a inteligibilidade do divino trabalho de Deus.

R. C. Sproul

Texto original: http://tuporem.org.br/fe-e-razao/#sthash.75oIN64R.dpuf
Anúncios

Sobre marcospoorman

O objetivo deste blog é edificar os irmãos em Cristo através de uma coletânea de mensagens escritas durante minha caminhada cristã.
Esse post foi publicado em Reflexões e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s